Ambiente Comentado

RSS
Conversando ou convivendo com pessoas mais velhas, talvez você já tenha se deparado com eletrodomésticos que parecem ter saído de uma novela de época, mas que ainda funcionam perfeitamente. No entanto o celular que você comprou ano passado, hoje já ultrapassado, além de parecer peça de museu nem sempre está  funcionando como deveria.
Seriam os mais velhos extremamente mais cuidadosos ou você mais relaxado? Talvez nenhuma das duas coisas, ou até mesmo as duas, já que o comportamento das pessoas muda com o passar do tempo; e é exatamente isso que faz toda a diferença.
Pesquisas indicam que os bens de consumo duráveis já não são mais tão duráveis assim e não faltam razões e exemplos para isso. Em primeiro lugar, com a grande concorrência no mercado, baratear o preço de um determinado produto é fundamental para lucrar e vender mais. Em segundo lugar, as propagandas presentes por todos os lados fazem com que pensar na necessidade de comprar alguma coisa seja ignorado o que estimula a concorrência das marcas. Por último, a mentalidade da sociedade mudou para um estilo mais consumista – impulsivo na maioria das vezes.
Uma vez que a necessidade da compra seja ignorada, o preço passa a fazer toda a diferença e para diminuí-lo é necessário mexer em algumas etapas essenciais da produção para cortar custos e é assim que a vida útil do produto acaba sendo afetada. 
Não se trata de fazer um produto de qualquer forma, até porque isso iria reduzir drasticamente a qualidade do mesmo e a marca se mancharia, perdendo assim espaço no mercado. Trata-se de baratear as peças mais importantes do equipamento. O que acontece assim é que quando este para de funcionar e uma peça precisa ser substituída, o conjunto sai mais barato do que substituir apenas a peça quebrada.
Seguem alguns exemplos: Uma batedeira custa em torno de R$ 100,00. No caso de um defeito em que o motor precise ser trocado o novo custará em torno de R$ 65,00. No caso de um aspirador de pó essa diferença é ainda mais destacada: enquanto um novo custa em torno de R$ 150,00, um motor novo custaria R$ 120,00. Para terminar, o exemplo mais gritante : uma torradeira nova custa em torno de R$ 100,00, enquanto a troca de suas resistências chega a custar R$ 150,00.
Aqui vale lembrar que além da peça nova é necessário pagar a mão de obra da assistência técnica  e muitas vezes o tempo para atendimento é menor do que a maioria das lojas levaria para entregar um novo em sua porta – com frete grátis.
Dito tudo isto, fica claro que não são só as questões políticas ou econômicas que farão o ambiente ser mais preservado. Uma grande (re)conscientização e (re) educação individual serão necessárias para que os recursos sejam mais aproveitados, diminuindo assim o impacto ambiental.
Para o Ambiente Comentado - Hugo Ledertheil Ruffo.Curta-nos! Ambiente Comentado!

Conversando ou convivendo com pessoas mais velhas, talvez você já tenha se deparado com eletrodomésticos que parecem ter saído de uma novela de época, mas que ainda funcionam perfeitamente. No entanto o celular que você comprou ano passado, hoje já ultrapassado, além de parecer peça de museu nem sempre está  funcionando como deveria.

Seriam os mais velhos extremamente mais cuidadosos ou você mais relaxado? Talvez nenhuma das duas coisas, ou até mesmo as duas, já que o comportamento das pessoas muda com o passar do tempo; e é exatamente isso que faz toda a diferença.

Pesquisas indicam que os bens de consumo duráveis já não são mais tão duráveis assim e não faltam razões e exemplos para isso. Em primeiro lugar, com a grande concorrência no mercado, baratear o preço de um determinado produto é fundamental para lucrar e vender mais. Em segundo lugar, as propagandas presentes por todos os lados fazem com que pensar na necessidade de comprar alguma coisa seja ignorado o que estimula a concorrência das marcas. Por último, a mentalidade da sociedade mudou para um estilo mais consumista – impulsivo na maioria das vezes.

Uma vez que a necessidade da compra seja ignorada, o preço passa a fazer toda a diferença e para diminuí-lo é necessário mexer em algumas etapas essenciais da produção para cortar custos e é assim que a vida útil do produto acaba sendo afetada. 

Não se trata de fazer um produto de qualquer forma, até porque isso iria reduzir drasticamente a qualidade do mesmo e a marca se mancharia, perdendo assim espaço no mercado. Trata-se de baratear as peças mais importantes do equipamento. O que acontece assim é que quando este para de funcionar e uma peça precisa ser substituída, o conjunto sai mais barato do que substituir apenas a peça quebrada.

Seguem alguns exemplos: Uma batedeira custa em torno de R$ 100,00. No caso de um defeito em que o motor precise ser trocado o novo custará em torno de R$ 65,00. No caso de um aspirador de pó essa diferença é ainda mais destacada: enquanto um novo custa em torno de R$ 150,00, um motor novo custaria R$ 120,00. Para terminar, o exemplo mais gritante : uma torradeira nova custa em torno de R$ 100,00, enquanto a troca de suas resistências chega a custar R$ 150,00.

Aqui vale lembrar que além da peça nova é necessário pagar a mão de obra da assistência técnica  e muitas vezes o tempo para atendimento é menor do que a maioria das lojas levaria para entregar um novo em sua porta – com frete grátis.

Dito tudo isto, fica claro que não são só as questões políticas ou econômicas que farão o ambiente ser mais preservado. Uma grande (re)conscientização e (re) educação individual serão necessárias para que os recursos sejam mais aproveitados, diminuindo assim o impacto ambiental.

Para o Ambiente Comentado - Hugo Ledertheil Ruffo.

Curta-nos! Ambiente Comentado!